sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Todos os tempos

Hoje meu corpo é tambor,
nas minhas entranhas rufam no agora
todos os tempos,

[por falar em Tempo, peço a sua benção].

Como instrumento esculpido por mãos negras,
meu corpo arfa, arpeja
no silêncio:
tempo, tempo, tempo.

2 comentários:

Ana Claudia Pantoja disse...

"Compositor de destinos
Tambor de todos os rítmos" (CV)

aeronauta disse...

Bela canção, Ulisses.
P.S.: Moramos na mesma cidade e parece que não. Por onde andam vocês?